Por que escrever um blog?

Quando eu nasci, e foi de cesárea, foi um parto igual a todos os outros: o médico abriu a barriga da minha mãe, me tirou de lá de dentro e, com um tapa bem dado para mostrar que o mundo aqui fora seria cruel, me fez chorar alto. Mas logo depois disso, eu ouvi um estalo.

Alguns dizem que é coisa de vidas passadas, outros falam de sinal de Deus… Eu acredito em tudo isso, pra falar a verdade. Mas desde o primeiro segundo de existência neste mundo, eu sabia o motivo para o qual eu nasci. Isso mesmo, entre todas aquelas muitas perguntam que assombram os humanos desde o começo dos tempos (“De onde eu vim?”, “Para onde eu vou?”, “Qual é a minha missão?”), eu sei a resposta da última, pelo menos para mim.

ESCREVER LIVROS.

Desde que me conheço por gente, desde criança, eu sempre gostei de livros. E isso nunca veio de ninguém, pois meus pais nunca gostaram muito de ler. Mas eu tenho na minha memória eu com menos de 3 anos rindo de um gibi do Mickey, gostando do ato da leitura, mesmo sem saber ler nada e mesmo assim entendendo da história. “Filho, do que você está rindo?” minha mãe perguntou na hora, e eu fui lá explicar a história para ela, sem ter a mínima noção do que estava falando (com 3 anos a gente ainda nem fala direito! kkk).


Mas, na vida, nunca escrevi para mim, sempre foi para os outros. Me formei em Letras-USP e trabalhei em editoras de livros técnicos e tecnólogos (com revisão e copidesque) e também com geração de conteúdo na internet. Sempre estive em contato com texto e produção de texto, mas nunca consegui colocar as minhas ideias em prática, num papel, num bloco de notas, ou mesmo num blog. A rotina não deixava, as frustrações interrompiam o fluxo criativo, outras prioridades apareciam… E nunca consegui escrever para mim…

Estar em contato com a produção de texto sempre foi um prazer, e sempre escrevi, mesmo que só para mim. Aliás, escrevi MUITO, várias obras, mas tudo guardado e engavetado para mim. E escrever sempre foi uma terapia. Melhor: sempre foi como a Penseira, do Harry Potter. Se lembra como o Dumbledore guardava os pensamentos dele em uma Penseira com a varinha, para poder refletir sobre eles em um momento melhor? Pois é assim que eu me sinto escrevendo. É muito bom tirar as ideias da cabeça e usar uma das minhas melhores habilidades, que é a escrita, e colocar em algum lugar, para refletir sobre algum tema. Assim, alivio a cabeça para novas ideias. E tem sido assim desde então…


Aí em 2020 veio a pandemia do coronavírus, mudando drasticamente a rotida de todo mundo, literalmente. A minha também, pois tive que trabalhar de home office e também me mudei de residência, além de restringir todas as minhas saídas casuais para evitar o contágio e pegar Covid-19. Foi um período difícil (e está sendo, pois estou escrevendo este texto em 2020 ainda) de manter a saúde física, mental espiritual e até criativa. Níveis de ansiedade altíssimos exigiram um alto controle que sozinho eu não conseguiria. Contei com ajuda de terapia, reeducação alimentar, atividade física à distância, leitura e muito videogame para distrair a mente enquanto sigo por este ano terrível.

Foi neste contexto que este blog surgiu: da necessidade de colocar em texto os meus pensamentos, minhas angústias e minhas ideias. Deixar tudo na cabeça só estava piorando as coisas, e ter uma “Penseira” onde eu deixasse minhas ideias para vê-las depois seria uma excelente forma de poder administrar melhor a ansiedade e outras situações complicadas nesta nova realidade.

Mas não vou fazer esse blog querendo vender algo ou divulgar coisas que eu não faria de graça. Neste espaço eu quero falar apenas de coisas que eu gosto, e como o próprio nome diz, “Estante do Cesinha”, eu só quero falar aqui de coisas que “cabem numa estante”. Então me refiro a livros, jogos de videogame, animes, filmes, músicas, seriados… E também de textos que eu escrevo e estudo. O objetivo é fazer deste lugar um espaço pessoal, e público ao mesmo tempo, dos entretenimentos, criações e estudos meus, onde eu publico minhas opiniões a respeito do que eu consumo. Bem nerd, né? Mas é exatamente isso que eu sou!


Mas não vou só escrever aqui, também vou trabalhar na divulgação e geração de conteúdo das redes sociais, que é onde eu tenho bastante conhecimento profissional. Em cada uma eu vou divulgar o mesmo conteúdo de forma diferente, aproveitando as peculiaridades, recursos e abordagens de cada plataforma. Veja abaixo como vai ficar cada rede social com o mesmo conteúdo:

Blog (este aqui que você lê!)

Blog: vou aproveitar que consigo fazer análises mais profundas focadas na qualidade e vou divulgar as minhas impressões depois de aproveitar todo o conteúdo, assim consigo falar das minhas experiências pré, durante e pós o consumo do entretenimento.

Esses posts eu vou escrever de uma vez só por completo, e vou revisar apenas no dia seguinte, antes de publicar. O objetivo é eu não “empacar” o texto esperando uma versão melhor dele e, assim, sair produzindo mais conteúdo e, consequentemente, consumir mais obras.

Acesse @estantecesinha!

Instagram : me encontre no https://www.instagram.com/estantecesinha/!

Como a grade de exibição do conteúdo no feed da plataforma é de três fotos por linha, vou fazer cada linha sobre o mesmo produto respeitando a seguinte sequência:

3ª foto (a da direita): foto da finalização, com uma pequena explicação do porquê eu ter gostado ou não e incentivando as pessoas a visitarem o blog para ler a análise com mais profundidade2ª foto (a do meio): algo durante a apreciação, de uma passagem, um momento que me chamou a atenção ou uma pré-análise enquanto consumo a obr1ª foto (a da esquerda): foto da capa ou do logo, explicando o porquê de eu consumir aquele conteúdo em específico

Vale sempre lembrar que o Instagram possui várias plataformas de publicação dentro deles, e o feed é só uma delas. Temos também os Stories, o IGTV, o Reels, o Shopping… Nos Stories, vou fazer aquelas fotos clássicas do livro com café ou em livraria, de momentos de jogos, de músicas que eu gosto, de momentos de filmes… Aquela comunicação específica que os stories sempre têm. E no IGTV eu vou dar as caras! Lá vou tentar fazer reviews das obras que li em curtíssimos vídeos de aproximadamente 1 minuto (dependendo da obra, claro). Sem roteiro, em edição, sem ambientação. Gravado do celular em casa.

/estantecesinha, curte aí!

Facebook: estarei aqui, na página https://www.facebook.com/estantecesinha.

A princípio todos os posts que estarão no blog serão replicados no Facebook (como este que você lê, estará lá, mas não no Instagram), mas não apenas o link do post para gerar tráfego, vou colocar comentários meus para ter conteúdo relevante naquela rede social. Os posts de conteúdo seguirão a seguinte sequência:

1º post: foto da capa, do logo, do pôster, da arte oficial, ou qualquer elemento que seja de fácil identificação das pessoas, explicando o porquê de eu consumir aquele conteúdo em específico. Vai ter foto e o conteúdo do post será melhor elaborado que o do Instagram, pois vejo o consumo no Facebook de maior profundidade, mesmo ainda sendo superficial em relação ao blog.
2º post: uma foto da finalização, como a quarta capa, ou uma artwork final, ou alguma coisa que simbolize o fim do consumo daquela mídia, com uma pequena explicação do porquê eu ter gostado ou não e incentivando as pessoas a visitarem o blog, que é onde eu desenvolverei melhor a minha opinião.

Diferente do Instagram, no Facebook eu não terei o “post do meio”, que seria um momento específico que me chamou a atenção. Vou deixar o Facebook para posts com conteúdos mais relevantes e com links para o blog onde poderei desenvolver melhor a minha opinião.

Twitter é a melhor rede social, diga-se de passagem rs

Twitter: minha arroba é @estantecesinha, me segue lá!

Vou interagir com pessoas e marcas (principalmente editoras) livremente. E cada conteúdo que eu consumir eu vou triar uma thread para deixar tudo organizado e em sequência lógica.

Eu não vou ter frequência de posts por semana em nenhum lugar. O meu objetivo é criar conteúdo de forma orgânica, fluida. Então vai ter momentos que vou metralhar de conteúdo e em outros haverão alguns hiatos. Sem problemas, vou postar com compromisso, mas sem cobrança.


Espero que eu consiga explorar este espaço com conteúdo relevante, que eu desenvolva cada vez mais as minhas habilidades de escrever e também que eu melhore as minhas argumentações e articulações na hora de expressar melhor a minha opinião.

Vem comigo!

2 comentários em “Por que escrever um blog?

Deixe seu comentário e participe da discussão!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s