Ratchet & Clank (2016), da Insomniac Games

Por que eu fui jogar Ratchet & Clank?

Eu sempre admirei a franquia Ratchet & Clank porque sempre me pareceu aqueles joguinhos “fáceis, com dificuldade sutil e que dá gostosas risadas”. Mas eu confesso que nunca joguei nada da franquia, ficando apenas na admiração.

Porém, como sou assinante da Playstation Plus, eu recebi o jogo gratuitamente em Março de 2021 no plano Play At Home. O objetivo deste plano era estimular os jogadores a permanecerem em casa durante a pandemia da Covid-19. Em março de 2021 ainda era o momento em que as vacinas estavam sendo produzidas, então permanecer em isolamento era essencial. E a Sony ofereceu este jogo.

Assim como a maioria dos jogos, eu deixei ele salvo na minha conta para “um dia jogar”. Pois o dia chegou! Estava querendo passar o tempo com algum jogo “infantil”, desses fáceis e sem muito compromisso, e resolvi baixar o jogo para testar.

E não é que eu gostei?

Continue lendo “Ratchet & Clank (2016), da Insomniac Games”

O quarto em chamas, de Michael Connelly

Por que li “O quarto em chamas”, do Michael Connelly?

Eu já confessei aqui no post do livro Southernmost – Rumo ao sul que eu gosto de comprar livros pela capa. E no caso d’O quarto em chamas, não foi diferente.

Estava rodando o site da TAG Livros quando vi esta capa e fui ler a respeito da história, e acabei ficando bastante curioso. Eu ando lendo bastante romance policial porque ando curtindo o clima de suspense e como pequenos detalhes vão ramificando a história e dando novas possibilidades e interpretações. Vale lembrar que ele também recebeu vários prêmios e se manteve no top dos mais lidos, então ruim ele não é!

Ele foi distribuído pela assinatura Inéditos em agosto de 2018, então o adquiri pela loja (já que ainda não assinava o clube neste período).

Continue lendo “O quarto em chamas, de Michael Connelly”

Defenders of Eorzea 2.3 (Final Fantasy XIV), da Square Enix

Por este ser um patch do Final Fantasy XIV que é justamente intermediário (entre os 2.1 e 22 e também entre o 2.4 e 2.5), eu considero este o mais fraco até agora. O que dá para perceber é que ele está amarrando:

  1. Tudo que aconteceu no A Realm Reborn;
  2. As reviravoltas dos patches, além das atualizações do jogo em si;
  3. Preparando o terreno para o futuro.

E aqui vai a minha opinião a respeito do terceiro patch do A Realm Reborn: Defenders of Eorzea.

Continue lendo “Defenders of Eorzea 2.3 (Final Fantasy XIV), da Square Enix”